domingo, 2 de dezembro de 2007

É hoje

Chávez faz ameaças caso resultado de referendo não seja reconhecido

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse, nesta sexta-feira, que fechará emissoras de TV, expulsará jornalistas e suspenderá a exportação de petróleo aos Estados Unidos caso a vitória que prevê colher no referendo de domingo sobre a reforma constitucional não for reconhecida.

Ah, vai! Faz isso, vai! Tem doido que pede corda pra se enforcar. Que se enforque. Independente do resultado do tal referendo, uma coisa é certa: a Venezuela entrará em colapso. O resto fica por conta do Juremir.

Chávez, o democrata

Hugo Chávez é um democrata. Só não vê quem não quer. O resto é conversa fiada. Ou pura ideologia reacionária. É choro de perdedor e lengalenga de burguês. Todo dia ele dá novas provas do seu apreço pelos regimes abertos e por uma democracia de mídia. O presidente brasileiro tem razão: Chávez adora plebiscitos e realiza mais eleições do que qualquer outro estadista no mundo. Que pode fazer se os eleitores sempre o escolhem ou votam a favor dos seus projetos? Aqueles que o criticam o fazem por inveja ou por medo. Afinal, o homem está construindo uma nova fase do socialismo mundial, um socialismo moreno, mestiço, caliente e totalmente livre das amarras do passado. Afirmo isso com base em fatos. Vamos a eles. Sem delongas.

Na última sexta-feira, num programa de televisão, Chávez, num fantástico exercício de liberdade de palavra, ameaçou, sem papas na língua, mandar para a cadeia religiosos que estão cometendo um crime terrível, inafiançável e de lesa-majestade: criticar a sua reforma constitucional de opereta. Estas foram as palavras do todo-poderoso Hugo contra os novos pecadores: 'Reitor Ugalde, uma vez o perdoei, mas, se fizer outra vez, vai parar na prisão Yare com batina e tudo. E você também, cardeal'. O papa caribenho dirigia-se ao reitor da Universidade Católica, Andrés Bello, e ao cardeal Jorge Urosa Sabino. Sem dúvida, a linguagem de Chávez é muito apropriada para um chefe de Estado e revela um conteúdo democrático superior, depurado, cristalino e formalmente inatacável. Não?

Alguns presidentes sul-americanos devem morrer de inveja dessa liberdade de expressão de Hugo Chávez. Ele chamou os seus críticos de 'vagabundos', 'meliantes', 'aduladores', 'estúpidos' e 'retardados mentais'. Tudo isso porque os demônios citados lançaram um manifesto atacando a sua proposta de mudança da Constituição. Essa emenda será submetida a um referendo em 2 de dezembro. Com certeza, nada há de antidemocrático no linguajar do presidente Chávez. Trata-se apenas de uma maneira franca de falar e de um tom poético. Enfim, é um estilo. Mais um fragmento dessa prosa poética extraordinária e libertária: 'São o demônio, defensores dos mais podres interesses, são uns verdadeiros vagabundos, do cardeal para baixo. Que rezem cem pai-nossos e cem ave-marias de joelhos'. Só uma nação abençoada pelos deuses da democracia pode orgulhar-se de tamanha liberdade de expressão. Pena que só uma pessoa – por coincidência o dono do poder – possa usá-la. Ele o faz, como todos sabem, porém, em benefício de todos. Afinal, é o pai do povo.

O pecado mortal da igreja venezuelana é o de opor-se ao projeto de mudança da Constituição por achar que 'limita a liberdade, incrementa excessivamente o poder do Estado e elimina a descentralização'. As democráticas declarações de Hugo Chávez são o dobrar dos sinos para esses religiosos incapazes de interpretar corretamente as intenções em jogo. Como chamar de ditador um homem que ameaça jogar na prisão os seus críticos? Tradicionalmente, quem faz isso são os democratas. Não é mesmo? Os leninistas, os stalinistas, os maoístas, os fascistas e outros 'istas' de direita e esquerda. Todos, como a história prova, autênticos democratas populares. Chávez, de uma vez por todas, mostrou o seu lado. Quem quiser atacá-lo, terá de arranjar novos argumentos. A democracia é o seu fraco.

(Juremir Machado da Silva)



Crédito das montagens: Correio do Povo.

Ah, sobre o último post e o Fonte Nova: faltam menos de 30 dias para que Wagner complete um ano de gestão. Digamos que o governo anterior tenha entregado o estádio em condição de miséria. A obrigação do governador, então, era interditá-lo. Se não o fez, ou é porque achou que tudo estava bem ou porque simplesmente não resolveu se ocupar da questão.

Thales Azevedo.

7 comentários:

Anônimo disse...

Esse tal de Juremir, da laia sórdida de Mainardi e Reinaldo de Azevedo - terroristas de direita -, talvez não saiba que o "príncipe letrado", FFHH [coveiro de CPIs], chamou os aposentados [brasileiros] de 'vagabundos'!!!

Lucas disse...

se wagner tivesse reformado a fonte antes de qualquer coisa, bodinho ia falar q ele se preocupa mais com futebol do q com a populacao....
esses seguidores de Mainarde sao foda viu...
=]

Thales disse...

De onde surgiu FHC?

E, Lucas, não é questão de preocupação com futebol. É preocupação com a vida humana mesmo.

Lucas disse...

rpz eu garanto q tu ia reclamar se ele desse um grau na fonte antes de qualquer coisa!!!
isso eu aposto!
=D

lucas disse...

LucaS diz:
e ai qual a boa?!
LucaS diz:
fora o coringa na segundona?!
thales diz:
aaah, pô, rebaixamento foi pesado
thales diz:
eu até gosto, time de mainardi

¬¬

Camila disse...

Futebol á parte...
Que texto massa!!!
Com tanta contradição assim no governo de Chávez, a ironia e o sarcasmo de Juremir são compreensíveis e até necessários...

Filipe Falcão disse...

Os EUA fizeram o embargo á Cuba!!Pq Chávez nao pode parar de vender petroleo para eles?? O petroleo eh dele e ele faz o q quiser!!!Esses críticos de direita falam e falam sobre democracia...bla´blá blá.Que nada rpz! Bando de bajuladores de BUSH!Chávez está tentando se libertar da influência maléfica dos EUA,ele está buscando a liberdade venezuelana perante á opressão do governo BUSH.B U S H, sim, é o verdadeiro DITADOR.