terça-feira, 22 de janeiro de 2008

A religião faz mal ao mundo

O filósofo Sam Harris, um dos ateus mais barulhentos dos EUA, diz que só com o fim da fé se poderá erguer uma civilização global.

Dependendo do ângulo em que é observado, o filósofo americano Sam Harris, de 40 anos, exibe uma desconcertante semelhança física com o ator Ben Stiller, mas seu trabalho nunca está para comédias. Junto com o biólogo inglês Richard Dawkins, autor de Deus, um Delírio, Sam Harris é um dos mais ativos militantes contra as religiões. Em 2005, nos Estados Unidos, ele lançou O Fim da Fé e ficou mais de trinta semanas na lista dos mais vendidos do jornal The New York Times. Neste ano, produziu um novo best-seller com críticas à religião. Com 91 páginas, Carta a uma Nação Cristã, já lançado no Brasil pela Companhia das Letras, é um compêndio em defesa do ateísmo. É redigido com uma linguagem tão cortante e argumentos tão implacáveis que, por vezes, roça o panfletário, mas dá seu recado com clareza absoluta. O filósofo bate em cada um dos pilares da fé e conclui: "A religião agrava e exacerba os conflitos humanos muito mais do que o tribalismo, o racismo ou a política". Ele deu a seguinte entrevista:

O movimento dos ateus é forte nos Estados Unidos e na Inglaterra, principalmente. É uma decorrência dos atentados de 11 de setembro de 2001?

Vejo dois motivos simultâneos para essa confluência geográfica: os atentados de 11 de setembro e a escancarada religiosidade do governo de George W. Bush. A conjunção desses dois fatores levou muitas pessoas a se preocupar com o fato de que a fé está agora dos dois lados do balcão. Esse é um jogo altamente perigoso.

Por quê?

A fé é, intrinsecamente, um elemento que, em vez de unir, divide. A única coisa que leva os seres humanos a cooperar uns com os outros de modo desprendido é nossa prontidão para termos nossas crenças e comportamentos modificados pela via do diálogo. A fé interdita o diálogo, faz com que as crenças de uma pessoa se tornem impermeáveis a novos argumentos, novas evidências. A fé até pode ser benigna no nível pessoal. Mas, no plano coletivo, quando se trata de governos capazes de fazer guerras ou desenvolver políticas públicas, a fé é um desastre absoluto.

O senhor acha que o mundo seria melhor sem religião, sem fé, sem crença em Deus?

Seria melhor se não houvesse mentiras. A religião é construída, e num grau notável, sobre mentiras. Não me refiro aos espetáculos de hipocrisia, como quando um pastor evangélico é flagrado com um garoto de programa ou metanfetamina, ou ambos. Refiro-me à falência sistemática da maioria dos crentes em admitir que as alegações básicas para sua fé são profundamente suspeitas. É mamãe dizendo que vovó morreu e foi para o céu, mas mamãe não sabe. A verdade é que mamãe está mentindo, para si própria e para seus filhos, e a maioria de nós encara tal comportamento como se fosse perfeitamente normal. Em vez de ensinarmos as crianças a lidar com o sofrimento e ser felizes apesar da realidade da morte, optamos por alimentar seu poder de se iludir e se enganar.

É possível conciliar ciência e religião?

A diferença entre ciência e religião é a diferença entre ter bons ou maus motivos para acreditar nas hipóteses sobre o mundo. Se houvesse boas razões para crer que Jesus nasceu de uma virgem ou que voltará à Terra, tais proposições fariam parte de nossa visão racional e científica do mundo. Mas, como não há boas razões para acreditar nisso, quem o faz está em franco conflito com a ciência. É claro que as pessoas sempre acham um modo de mentir para elas mesmas e para os outros. A estratégia, nesse caso, é dizer que tal crença decorre da fé. Com freqüência, ouvimos dizer que não há conflito entre razão e fé. É o mesmo que dizer que não há conflito entre fingir saber e realmente saber. Ou que não há conflito entre auto-engano e honestidade intelectual.

Haverá o dia em que a humanidade deixará de ter fé ou a fé faz parte da natureza humana?

O desejo de compreender o que se passa no mundo é inato, assim como o desejo de ser feliz, de estar cercado por pessoas que amamos ou o desejo de ser mais feliz, mais carinhoso, mais ético no futuro. Mas nada disso nos obriga a mentir para nós mesmos, ou para nossos filhos, a respeito da natureza do universo. É claro que nossa compreensão do universo é incompleta e desconhecemos a extensão exata de nossa ignorância. Não temos como antecipar as maravilhosas descobertas que serão feitas. O que sabemos com absoluta certeza, aqui e agora, é que nem a Bíblia nem o Corão trazem nossa melhor compreensão do universo.

Mas nem a Bíblia nem o Corão se pretendem um manual científico para entender o mundo?

Esses livros não são sequer um guia sobre moralidade que possamos considerar minimamente adequado, e falo de moralidade porque é um campo em que ambos se consideram exemplares. A Bíblia e o Corão, por exemplo, aceitam a escravidão. Qualquer um que os considere guias morais deve ser a favor da escravidão. Não há uma única linha no Novo Testamento que denuncie a iniqüidade da escravidão. São Paulo até aconselha aos escravos que sirvam bem aos seus senhores e sirvam especialmente bem aos seus senhores cristãos. É desnecessário dizer que a Bíblia e o Corão, além de não servir como guias em termos de moralidade, também não são autoridade em física, astronomia ou economia.

Que tipo de impacto seu livro pode ter sobre os leitores religiosos?

Eu ficaria feliz se o livro levasse os leitores a se perguntar por que, em pleno século XXI, ainda aplaudimos pessoas que fingem saber o que elas manifestamente não sabem nem podem saber. Não há uma única pessoa viva que saiba se Jesus era filho de Deus ou se nasceu de uma virgem. Na verdade, não há uma pessoa viva que saiba se o Jesus histórico tinha barba. No entanto, em muitos países é uma necessidade política simular que sabemos coisas sobre Deus, sobre Jesus, sobre a origem divina da Bíblia. Imagino que qualquer pessoa religiosa que leia Carta a uma Nação Cristã com a cabeça aberta descobrirá que os argumentos usados contra a fé religiosa são absolutamente irrespondíveis. Isso deve ter algum efeito sobre o modo de ver o mundo dos leitores. Eles certamente vão perceber que ser um cristão devotado faz tanto sentido quanto ser um muçulmano devotado, que, por sua vez, é tão lógico quanto ser um adorador de Poseidon, o deus do mar na Grécia antiga. É hora de falarmos sobre a felicidade humana e nossa disponibilidade para experiências espirituais na linguagem da ciência do século XXI, deixando a mitologia para trás.

O Brasil é um país aparentemente tolerante com as diferentes religiões e conhecido pelo sincretismo religioso. Num país assim, é mais fácil ou mais difícil para o ateísmo crescer?

Em certo sentido, deve ser mais fácil. O convívio intenso de crenças inconciliáveis deve levar as pessoas a compreender que tais crenças são produtos de acidentes históricos, são contingenciais, são criadas pelo homem e, portanto, não são o que pregam ser. Judeus e cristãos não podem estar ambos certos porque o núcleo de suas crenças é contraditório. Na verdade, eles estão equivocados sobre muitas coisas, exatamente como estavam antes os adoradores dos deuses egípcios ou gregos. Ou os adoradores de milhares de deuses que morreram durante a longa e escura noite da superstição e da ignorância humana. Em qualquer lugar que os seres humanos façam um esforço honesto para chegar à verdade, nosso discurso transcende o sectarismo religioso. Não há física cristã, álgebra muçulmana. No futuro, não haverá nada como espiritualidade muçulmana ou ética cristã. Se há verdades espirituais ou éticas a ser descobertas, e tenho certeza de que há, elas vão transcender os acidentes culturais e as localizações geográficas. Falando honestamente, esse é o único fundamento sobre o qual podemos erguer uma civilização verdadeiramente global.

Alexandre Rios.

9 comentários:

Lucas Caires disse...

Um título melhor seria: "o fanatismo faz mal ao mundo". A forma de acreditar em Deus que ele cita é o fanatismo religioso, não a religião em si. Quando há um mínimo de conhecimento científico num indivíduo é muito difícil o argumento religioso sobrepor ao científico, já que a religião é uma forma de fortalecer o indivíduo e não um todo. Ao assinar um tratado ou acordos políticos um bom representante da nação não utiliza argumentos religiosos para contestar o acordo. Ele analisa a situação política e econômica do país para decidir o melhor para o povo. Acreditar em uma força superior é optaivo. Impôr o ateismo para o bem coletivo é ignorância. Assim como impôr o Corão como Constituição é ignorância.

Alexandre Rios disse...

Trecho retirado do livro "Deus, um delírio", de Richard Dawkins.

[...] O dicionário que vem com o Microsoft Word define delírio como "uma falsa crença persistente que se sustenta mesmo diante de fortes evidências que a contradigam, especialmente como sintoma de um transtorno psiquiátrico". A primeira parte captura perfeitamente a fé religiosa. Quanto a ser ou não um sintoma de transtorno psiquiátrico, tendo a concordar com Robert M. Pirsig, autor de Zen e a arte da manutenção de motocicletas: "Quando uma pessoa sofre de um delírio, isso se chama insanidade. Quando muitas pessoas sofrem de um delírio, isso se chama Religião".

Alves disse...

Concordo com Caires. O entrevistado encara os religiosos como fanáticos, seguidores incondicionais de alguma doutrina. Ele se esqueceu q é ínfima, se comparado ao todo, a parcela de "fanáticos" em qualquer religião, seja ela a islâmica ou a católica, por exemplo. Vc já viu algum católico seguidor fiel de cristo, q abdicou qualquer bem material em nome de Deus?

É ignorância, ao meu ver, afirmar q a religião faz mal ao mundo. A religião tem lá seus pontos negativos se for encarada com ufanismo, assim como o nacionalismo , torcer para um time, defender uma ideologia política ou social e etc. Talvez, o mundo nunca tenha tido uma experiência em q a maioria da população de uma nação era adepta ao ateísmo, ou seja, n há provas q essa afirmação "o mundo seria melhor se n houvesse religião" venha ser verificada num futuro, isso é até improvável.

Pra mim, a religião é uma das melhores formas de educar uma população e, consequentemente, controlá-la de forma sadia. Além de ser um alicerce de vários indivíduos q precisam de algo pra apoiar-se em momentos difíceis, o q n é raro nos dias de hoje.

Por isso, se o mundo é um caos com religião eu n sei o q seria, então, sem ela.

Alexandre Rios disse...

"... Pra mim, a religião é uma das melhores formas de educar uma população e, consequentemente, controlá-la de forma sadia."

O problema é esse. Enquanto houver pessoas que pensem que a religião serve para controlar as pessoas, como gado, ela continuará trazendo mais malefícios do que benefícios...

Alves disse...

Vc pode me dizer quais malefícios?
n q eu ache q n tenha, mas..

Alves disse...

Ah sim, e qual educação n é um tipo de controle?

Camila L. L. disse...

[Eita, vou me meter um pouquinho...]

"Mas, como não há boas razões para acreditar nisso, quem o faz está em franco conflito com a ciência."

Acho que quem julga se as razões para se ter fé são boas ou não são as próprias pessoas que as têm...

Agora, se bom = concretamente e logicamente perceptível/verificável, suponho que as razões para se acreditar na ciência também não sejam boas...

A origem do universo, por exemplo, ainda não foi nem de longe provada pela ciência, como o entrevistado diz.

Portanto, se a ciência não entra em conflito com ela mesma, a fé também não entra.

"Mas nada disso nos obriga a mentir para nós mesmos, ou para nossos filhos"

E quem já provou que Deus não existe e a fé é uma mentira? O mesmo vale para a divindade de Jesus e a virgindade de Maria... Há relatos coletivos e públicos sobre isso, do mesmo jeito há relatos de muitos milagres, os quais a ciência também não explica.

Como achar que tudo o que não é racional ou concretamente provado é mentiroso?
Vocês queriam que Deus também pudesse ser alcançado com equações matemáticas?

Camila L. L. disse...

Concordo com Marcos quanto ao caráter negativo do fanatismo, apesar de não concordar com o exemplo de fanatismo que ele deu. ^^

E essa história aí:
"A única coisa que leva os seres humanos a cooperar uns com os outros de modo desprendido é nossa prontidão para termos nossas crenças e comportamentos modificados pela via do diálogo."
é uma bobagem completa!!
Existem milhares de coisas que nos levam a cooperar com os outros. E mesmo quando essa cooperação envolve religião, ela não pede crenças iguais.
Parece que o cientista lá era muito novinho quando João Paulo II se encontrava constantemente com líderes de outras religiões para promover a paz e o respeito...

Quanto ao controle... Não só a educação e a religião como qualquer "movimento coletivo" (moda, governo, etc.) é, de certa forma, controladora quando não seguida pensadamente.

tamires disse...

O mau uso da religião é que faz mal ao mundo.
Por que quando,na maioria das vezes, alguém que se diz conhecedor das ciências, da mente humana ou coisas do gênero, se coloca como ateu? A existência de Deus não pode ser comprovada por grandes experimentos, ou teses, pois é muito maior e superior a nossa inteligência limitada. No sentido porque somos seres humanos e temos que nos colocar no nosso lugar, seria muito poder a mão do homem achar que está sozinho no universo e que é auto-suficiente.
Por mais que não queremos ou até que se queira fugir disso, Deus nos ama e isso só pode ser provado se permitir a ação de Deus.
UM DIA VERÃO TUDO ISSO!
e só podemos falar daquilo que conhecemos, e conhecer a Deus é muito mais, é indescritível.
Já vi muitos que se diziam ateus e que na verdade eram pessoas vazias e incompletas, mas permitiram-se mudar de vida através de Deus.
eu, uma garota de 17 anos, vi esse blog, e nas primeiras linhas achei interessante, falavam sobre a manipulação da TV na sociedade,mas quando vi falando de Deus da forma como foi apresentado, não intendi e Questionei:- será que estão falando do mesmo Deus que mudou a minha vida?
Qualquer coisa respondem ao meu e-amil tamiresbrigido@hotmail.com
Deus te abençoe